Delas Blend: Uma Jornada pela Cultura do Café Especial Feminino

Fundado por uma mulher, Luciana Melo, que 20 anos depois segue à frente do negócio, o Café Cultura criou um programa inovador para valorizar as mulheres que cultivam café em diferentes estados. Num universo em que predominam as figuras masculinas – desde que a “Política do Café com Leite” estava intrinsecamente ligada ao destino do país – o Delas Blend transcende a delicadeza do sabor. É uma marca com significado, que fomenta o trabalho e a ascensão das mulheres produtoras de café.

O Delas Blend exprime uma narrativa rica em coragem, com a consistência dos vínculos e tradições familiares lapidada por processos inovadores. Contando com 28 mulheres franqueadas nas operações das suas lojas, o Café Cultura cultiva um círculo virtuoso, preparando o terreno para que os negócios liderados por mulheres tenham raízes robustas, capazes de sustentar mais famílias no campo ou nas cidades.

Hoje, por trás de cada pacote do Delas Blend, abre-se uma nova perspectiva: empoderar as mulheres que cuidam dos seus colaboradores como se fossem uma família, que dedicam o mesmo zelo ao presente e ao futuro, buscando resultados sem comprometer o meio ambiente. O Delas Blend está diretamente conectado à causa da marca, de convencer as mulheres das suas potencialidades, sem deixar de enaltecer a sensibilidade e os detalhes peculiares ao feminino, onde cuidar é próprio da sua natureza.

Para Luciana, uma questão subliminar aos contratos faz toda a diferença. “A mulher sempre é um exemplo para os filhos. Quando investimos nisso, fomentando negócios com quem está na base da criação de um indivíduo, transformamos o social. Ser sustentável é trabalhar na causa. Com o tempo, nossa aposta nas mulheres vai repercutir na educação que elas dão para os filhos e, certamente, na consciência que eles terão para cuidar do meio ambiente”.

O início de tudo

Ao longo de 20 anos garimpando os melhores grãos, o Café Cultura identificou que, apesar do forte protagonismo masculino nas fazendas, havia uma significativa parcela de mulheres no comando de algumas propriedades. Com a sensibilidade de quem abriu um negócio enquanto estava grávida, e munida de dados incontestáveis, Luciana idealizou o Delas Blend. O primeiro passo foi selecionar as fazendas fornecedoras, onde as mulheres do agro produziam jóias da cafeicultura dignas de ganhar mercado.  

O primeiro lote com o selo Delas Blend foi lançado em maio de 2021, com uma ação especial em torno do Dia das Mães. O café passou a ser a “estrela” de uma caixa de café da manhã, harmonizado com outros mimos, como um lenço personalizado do projeto. A iniciativa foi um sucesso não apenas sob o ponto de vista comercial. A intenção subliminar – de promover a igualdade social e de gênero, incitando as mulheres a serem as autoras da sua história e donas das suas decisões – foi plenamente cumprida, desencadeando novas ações.

O projeto

A escolha das produtoras do Delas Blend é um processo meticuloso. Cofundador da marca, Josh Stevens tem larga experiência, da torrefação do grão às diferentes técnicas para filtrar o pó, numa legítima alquimia para extrair o melhor sabor. Entre os critérios considerados para a seleção das fornecedoras do Delas Blend está, naturalmente, a excelência do grão. Outra preocupação de Josh, que fez uma peregrinação curiosa, conhecendo as fazendas e interagindo com as comunidades em que estão inseridas, foi localizar produtoras com impacto positivo no seu entorno e com uma visibilidade que ainda não condiz com o potencial do seu negócio, merecendo, portanto, uma estratégia de marketing nacional.

Todas as fazendas que despertam o interesse do Café Cultura passam por uma “peneira” de pré-requisitos: se estão comprometidas com práticas sustentáveis e se estão alinhadas com os valores do Café Cultura, de ética empresarial e cuidado com os funcionários. Para extrair os melhores grãos, o que muitas vezes requer o envolvimento de especialistas terceirizados, para normatizar e cumprir padrões de excelência respaldados por selos reconhecidos, como Rainforest, o próprio Josh acompanha, in loco, parte do processo nas fazendas.

Conheça as Cafeeiras:

Maristela Souza

A primeira edição do Delas Blend foi com um café plantado numa altitude de 820 metros, no Norte do Paraná. A produtora é Maristela Souza, que mora em Tomazina, uma cidade com menos de 10 mil habitantes. Depositando muito amor e orgulho nos grãos que produz, Maristela criou um blend singular pelo método cereja descascada, exibindo notas frutadas, corpo cremoso e acidez tartara. 

Produtora de cafés especiais por influência do pai e do avô, que trabalhavam no segmento, Maristela começou a trabalhar ainda jovem, e buscou referências externas para aprimorar o negócio. Ao aderir ao grupo de mulheres do café do Norte pioneiro, promovido pelo instituto Emater, aprendeu a produzir um café de alta qualidade e a gerenciar o próprio negócio.

Patrícia Mendonça

Para Patrícia Mendonça, que assinou o segundo lote do Delas Blend, “os grãos de café possuem o poder de fazer as pessoas se conectarem”. Até descobrir este mérito, Patrícia trabalhava no mercado financeiro, imersa na “selva de pedra”. Em 2017, contando com o apoio do marido, igualmente inexperiente no setor, Patrícia se mudou para o Sítio Três Barras da Mantiqueira, no Vale da Grama, em São Paulo. A região é famosa pela produção de cafés únicos e excelentes, mas para o casal tudo era novidade, exceto a vontade de criar os três filhos numa atmosfera diferente daquela desvairada, da “Paulicéia”.

A aquisição de uma propriedade com tradições enraizadas na produção do café exigiu muita dedicação e aprendizado para ganhar a confiança dos trabalhadores, remodelar e implementar as mudanças que logo passaram a orgulhar a comunidade local. Para Patrícia, o fato de ser mulher, chegando de São Paulo, disposta a fazer diferente do que já estava instituído na fazenda, foi um desafio adicional, mas hoje ela colhe os frutos, com o Café Cultura (e)coando com dimensão nacional a qualidade do seu trabalho. 

Tuca Dias

Tuca Dias se destaca no centro desta foto, rodeada por amigos e seu fiel companheiro de quatro patas.

A terceira edição do Delas Blend prestou um tributo a uma sucessora da Fazenda Santa Alina, que inovou nas estratégias de gestão de uma fazenda com tradições centenárias. Em atividade desde 1907, nas montanhas do Vale da Grama, em São Paulo, a fazenda está na família de Tuca Dias há quatro gerações. Coube a ela, graduada em experiências humanas, o papel de desconstruir os limites do casario, para estreitar, na prática, as conexões com todos os colaboradores.

Com uma visão otimista, disposta a despertar o potencial adormecido das pessoas e dos cafés, Tuca se vê como guerreira sem armas, lutando por um Brasil que dá certo, conciliando tradição e inovação. Identificando nos grãos de café uma ferramenta valorosa, porque “através de uma xícara de café nos transformamos e transformamos vidas”, Tuca teve a sua produção multiplicada nas xícaras do Brasil, com o Café Cultura proporcionando um blend com notas de caramelo, o cítrico suave da laranja lima, um pouco de mel e frutas tropicais.

Josiani Moraes da Silva

Josiani Moraes da Silva é gestora da Fazenda Santa Cruz, no Sul de Minas Gerais. Após a sólida formação em Administração de Empresas e D\direito, complementada por uma pós-graduação em Processo Civil, ela se especializou em Gestão de Crédito de Carbono pela FGV, e os resultados logo ecoaram no meio ambiente. Com certificações Q’Grader e Q’Processing, Josiani adotou uma abordagem integrada para a cadeia produtiva, priorizando a sustentabilidade e o equilíbrio. 

A responsabilidade social da Fazenda impacta diretamente na comunidade em que está inserida, contagiando o ecossistema de que suas premissas de não desmatar, não poluir e proteger a vida silvestre são um legado para as gerações futuras. Com o mercado ampliado, como fornecedora do Café Cultura, Josiani ganha recursos e visibilidade para tornar-se referência em Carbono Neutro, na produção de café com fontes genuinamente sustentáveis, e no sólido compromisso sócio-ambiental.

Rita de Cássia de Lima

Rita de Cássia de Lima produz café no Sítio Taquari, na Serra dos Limas. A região de Andradas, no Sudoeste de Minas Gerais, tem forte tradição cafeeira, mas apesar do vínculo da família com o cultivo do café, a “vocação” para Rita só emergiu após o seu casamento, em 1985. A busca incessante para cultivar as variedades Catuaí e Mundo Novo, respeitando altos padrões de qualidade e sustentabilidade, refletiu em reconhecimentos incontestáveis. O café Floresta Negra, selecionado pelo Café Cultura para um lote do Delas Blend, obteve uma pontuação fantástica, com 85.7 pontos, da Associação de Cafés Especiais (SCA).

No Sítio Taquari, as práticas agrícolas sustentáveis – priorizando o adubo orgânico, com esterco e compostagem como fontes de nutrientes para as plantas – refletem em todo o ecossistema, encorajando mais produtores a também abolir o uso de agrotóxicos. Além da terra, o paladar agradece, com os cuidados com a biodiversidade e o meio ambiente repercutindo num alimento saudável e sabor marcante.

Causa: próximos passos do Café Cultura

Ciente dos desafios que as mulheres deste setor enfrentam, como o acesso limitado à internet e outras formas de comunicação que possam impulsionar o desenvolvimento pessoal, os negócios e o próprio marketing das marcas, o Café Cultura foi até estas fazendas, visitou as comunidades em que estão inseridas e se sensibilizou com muitos fatores. Nos empreendimentos cafeicultores geridos por mulheres, por exemplo, as trabalhadoras representam 43% do contingente de mão de obra: isso significa milhares de mulheres com poder de decisão, com renda para cuidar das suas famílias, com a oportunidade de provar o seu talento e se realizar profissionalmente.

Paralelamente a um ensejo de contribuir com a agricultura brasileira para alcançar metas de igualdade de gênero, avançando “grão a grão” para romper barreiras históricas, o Café Cultura detectou, assim que foi iniciado o movimento para a criação do Delas Blend, um cuidado em comum: o respeito pelo meio ambiente enraizado nos seus valores. Com isso, selecionou fornecedoras que utilizam os recursos naturais de forma consciente, buscando o equilíbrio entre desenvolvimento econômico e preservação ambiental.

Além disso, ao examinar a origem e as práticas de uma empresa rural, buscam identificar se há trabalho infantil ou condições de trabalho semelhantes à escravidão, distribuição desigual de renda, dificuldade no acesso à educação e saúde, discriminação de gênero e êxodo rural.

Para Luciana Melo, que ingressou no segmento cuidando de um café com 40m2, obrigada a ser valente e polivalente, até transformar o sonho de uma pequena família num grande negócio, o Café Cultura tem orgulho de retribuir a dimensão que alcançou fazendo a diferença na vida das cafezeiras. Por meio do Delas Blend, cada café coado (e)coa a competência das mulheres do agro. E ao abraçar o propósito de valorizar o trabalho feminino, o Café Cultura dá nova perspectiva à toda a cadeia produtiva, com mais mulheres liderando negócios, cuidando da terra e do entorno como cuidam de suas famílias.

compartilhe nas redes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *